Como adequar sua infraestrutura de TI à Cloud Computing?

Não dá mais para as empresas fugirem do processo de Transformação Digital pelo qual o mundo está passando. Afinal, ele altera a maneira como as marcas se comunicam com seus clientes e os processos internos do negócio.

A computação em nuvem tem um papel determinante nesse cenário, sendo que muitas empresas estão migrando completamente a sua infraestrutura de TI para a cloud, reduzindo custos e privilegiando a previsibilidade e a escalabilidade.

Para se beneficiar da nuvem com total segurança e desempenho, o gestor precisa entender os impactos iniciais da migração, escolher um provedor que supra a demanda da empresa e dar uma atenção especial à segurança, especialmente em relação ao controle de acesso.

Neste post, vamos trazer algumas questões que ajudarão no seu entendimento na hora de adequar a sua infraestrutura de TI à cloud computing. Confira!

Quais são os componentes de uma infraestrutura de TI?

Para iniciar, vamos entender como funciona a infraestrutura de TI, os seus principais componentes e como eles se conectam entre si. Basicamente, estamos falando de uma combinação que reúne hardware, software e recursos humanos. Vamos entender com detalhes cada componente.

Hardware

Os hardwares são os componentes-chave da infraestrutura, ou seja, são eles que dão forma física e permitem a alocação dos outros recursos de computação. Sem os hardwares, seja internamente, seja na nuvem, é impossível ter a seu dispor uma infraestrutura de TI. Entre os dispositivos mais básicos, destacam-se: servidores, desktops, roteadores e switches.

Software

Se o hardware forma a parte física da infraestrutura, o “corpo”, o software é a “alma”, pois, sem eles, os dispositivos são apenas objetos inanimados. Em uma empresa, o software mais típico é o ERP, um sistema que permite o planejamento de recursos empresariais.

Outro software bastante característico é o CRM, mais voltado ao gerenciamento de estratégias destinadas ao relacionamento com o cliente. Esses softwares podem ser desenvolvidos exclusivamente pela empresa ou ser adquiridos como SaaS — software como serviço —, um dos modelos de serviço em nuvem.

Internet

A rede é o que permite a conexão entre os dispositivos internos com os externos. Ela pode ser interna, com a intranet, ou externa, com a internet. Quando a infraestrutura está virtualizada na cloud, a internet passa a ser a porta de entrada única para a gestão da empresa, o que facilita o trabalho remoto, aumentando a produtividade do negócio.

Pessoas

Hardwares, softwares e rede são apenas ferramentas: todos eles precisam ser controlados para entregar valor e isso é feito por profissionais qualificados. Nesse pacote, podemos colocar os administradores de sistemas, de redes e desenvolvedores, que determinarão quais são as necessidades da empresa e o tipo de dispositivo e software que será utilizado. Os profissionais de suporte ficam responsáveis por manter a infraestrutura funcionando.

Como fica a gestão de TI a partir da cloud computing?

Antes do crescimento da computação em nuvem e das velocidades das conexões de internet, só havia uma maneira de uma empresa suprir as suas necessidades dos serviços de informática: ter um servidor físico próprio. Isso significa que a gestão de TI tradicional tinha como foco a administração dos recursos físicos, como a refrigeração, a arquitetura de rede etc.

Quanto maior a empresa, maior teria que ser essa estrutura e a quantidade de profissionais apenas para mantê-la, o que encarecia bastante o TI dentro da companhia. Em uma época em que o setor era encarado apenas como um meio, sem nenhuma participação nas estratégias de negócios, isso fazia com que os cortes orçamentários sempre esbarrassem na área de tecnologia de informação.

Com a computação em nuvem, houve uma simplificação na gestão de TI, ou seja, não há mais uma infraestrutura física densa, apenas os desktops — isso quando não são os desktops virtualizados também.

A preocupação dos gestores de TI mais modernos é em relação à segurança — principalmente com os profissionais que acessam remotamente a infraestrutura, evitando brechas de segurança — , e ao alinhamento do setor de TI ao core business, entregando valor gerencial para empresa como um todo.

Como a cloud computing pode otimizar a estrutura física da empresa?

Deixamos um tópico exclusivamente para falar de um dos principais benefícios da migração para a cloud, a otimização dos recursos físicos da infraestrutura de TI de uma empresa. Com a infraestrutura em nuvem, a primeira vantagem que a empresa ganha é com relação ao espaço, ou economia com o aluguel de uma área específica que seria preciso separar para todos os servidores e demais componentes.

Reduz-se a necessidade de refrigeração exclusiva para os equipamentos, o que reflete diretamente na conta de energia da empresa. Se a empresa for média ou pequena e não puder contratar profissionais de suporte, a cloud dá a oportunidade para que seja feito um suporte gerenciado. Com isso, a empresa contrata uma terceirizada para cuidar de sua infraestrutura e focar apenas o seu core business.

Por que a previsibilidade de custos na nuvem é benéfica para o seu negócio?

Com a computação em nuvem, a empresa paga apenas pelos recursos que utilizar, ou seja, nada de ficar com uma infraestrutura ociosa ou apertada, como aconteceria com um servidor dedicado. Na nuvem, o gestor pode escalar e aproveitar os momentos de sazonalidade, aumentando ou reduzindo os recursos de acordo com a necessidade, apenas mudando de plano.

Dessa forma, fica muito mais fácil ter uma previsibilidade sobre os gastos da empresa, sem sustos ou surpresas, facilitando a medição de um indicador base para entender o retorno que cada estratégia entregue, o ROI (Retorno sobre Investimento).

Como é feita a migração da infraestrutura de TI para a nuvem?

O primeiro passo que o gestor precisa dar é contratar um provedor que esteja disposto a entregar um processo de migração econômico e correto. O ideal é que seja passado uma checklist com os principais pontos de atenção, para que nada seja deixado para trás durante o processo. Os principais requisitos são:

  • entender quais são as reais necessidades da empresa em relação à infraestrutura de TI e como a nuvem ajudará para a otimização;
  • utilizar a nuvem com todo o seu potencial de escalabilidade, buscando sempre alta disponibilidade, com data centers robustos e redundâncias;
  • fazer o alinhamento da cloud computing às necessidades dos profissionais que trabalham diariamente com a tecnologia da informação;
  • criar redundância para as informações e conexões, com foco na disponibilidade em tempo real para todos os profissionais da empresa, em qualquer lugar;
  • permitir, por meio da redução de cursos com dispositivos, um direcionamento mais otimizado dos recursos para a segurança dos dados e para a escalabilidade.

Esperamos que, após a leitura deste post, você tenha uma base para começar a migrar a infraestrutura de TI de sua empresa para a nuvem. Ressaltamos a importância de contar com um provedor de qualidade, que esteja pronto para entregar o melhor suporte e consultorias.

Gostou do post? Então, siga a gente nas redes sociais e receba em primeira mão as nossas novidades. Estamos no Facebook, Twitter, LinkedIn e Instagram.

Clara CloudComo adequar sua infraestrutura de TI à Cloud Computing?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *